Como sei se tenho disfunção erétil?

Como sei se tenho disfunção erétil?

Poucos homens querem falar sobre sua incapacidade de obter ou manter uma ereção, no entanto, a disfunção erétil pode ter um impacto profundo sobre relacionamentos e auto-estima. Felizmente, problemas no quarto não significa necessariamente que você esteja lidando com a disfunção erétil. A maioria dos homens terá problemas com uma ereção em algum momento de sua história sexual. Mas um dia ruim no quarto não significa grandes problemas de saúde sexual. Então, como você pode saber se está lidando com a disfunção erétil?

Sinais de disfunção erétil
Sua capacidade de se excitar é um processo complicado. Suas emoções, cérebro, hormônios, nervos, vasos sangüíneos e músculos desempenham um papel importante na excitação masculina. Quando qualquer uma dessas peças não estiver alinhada, pode causar algum tipo de disfunção.

Também é importante lembrar que a sua saúde mental desempenha tanto uma parte da sua capacidade sexual quanto a sua saúde física. Estresse e outros problemas de saúde mental podem causar ou piorar a disfunção erétil. Pequenos problemas de saúde podem retardar sua resposta sexual, mas a ansiedade que acompanha a resposta sexual lenta pode acabar com as coisas completamente.

Problemas sexuais ocasionais ou intermitentes não indicam necessariamente disfunção erétil. Mas você pode estar lidando com a disfunção erétil quando os seguintes sintomas são persistentes:

Desejo reduzido por sexo
Incapacidade de manter uma ereção
Incapacidade de obter uma ereção
Quem está em risco de disfunção erétil?
Você pode estar em maior risco de disfunção erétil se você:

Estão ficando mais velhos
Ter uma condição psicológica como ansiedade, depressão ou estresse
Sofre de condições médicas, como uma doença cardíaca ou diabetes
Use tabaco
Use drogas e álcool
Estão acima do peso
Estão passando por tratamento médico, como tratamento com radiação para câncer
Está tomando medicamentos como anti-histamínicos, medicamentos para pressão alta ou antidepressivos
Ter uma lesão que possa danificar os nervos ou artérias que contribuem para as ereções
Posso prevenir a disfunção erétil?
Embora possa não ser possível evitar sempre a disfunção eréctil, cuidar de si pode ajudá-lo a evitar problemas persistentes. Em geral, quanto mais saudável você é, menor a probabilidade de ter disfunção erétil. Fazer o seguinte pode ajudar:

Reduza seu estresse
Gerencie condições de saúde como diabetes e doenças cardíacas com a ajuda de seu médico
Gerencie sua saúde mental
Exercício consistentemente
Pare de fumar, não use drogas recreativas e limite o consumo de álcool
Tratar a disfunção erétil
Não há tratamento único para disfunção erétil. Suas causas variam, o que significa que você pode precisar desenvolver uma abordagem multifacetada para o seu plano de tratamento. Trabalhe com o seu médico para obter o melhor tratamento para você. Possíveis tratamentos incluem:

Leia também: Impotência sexual masculina e feminina

Modificações de estilo de vida. Perca peso, faça exercícios regularmente, administre suas condições médicas, pare de fumar e evite álcool e drogas ilícitas.
Aconselhamento. Procure tratamento para ansiedade, depressão e outras preocupações com a saúde mental. Se você está tendo dificuldades de relacionamento, considere o aconselhamento de casais.
Prescrição de medicamentos Se necessário, seu médico pode prescrever medicamentos orais, como Viagra, Cialis, Levitra e Stendra (pergunte ao seu farmacêutico se há um genérico disponível, pois ele custará muito menos). Discuta quaisquer preocupações ou condições de saúde que tenha com o seu médico antes de tomar medicamentos para a disfunção erétil.
Outros medicamentos , como uma auto-injeção de Alprostadil, supositório de urina de Alprostadil ou reposição de testosterona, também podem ser receitados pelo seu médico.
Tratamentos físicos como uma bomba peniana ou implantes penianos não requerem medicação. No entanto, os implantes penianos geralmente não são considerados até que outros tratamentos mais conservadores tenham falhado.
Se você sofre de disfunção erétil, há ajuda. Discuta seus sintomas e preocupações com seu médico para ajudar a descobrir a causa de sua disfunção erétil. Em seguida, trabalhe em direção a opções de tratamento que farão você se sentir de volta ao seu antigo eu novamente.

7 alimentos que podem ajudar a aliviar a disfunção erétil

7 alimentos que podem ajudar a aliviar a disfunção erétil

Se você tiver disfunção erétil de vez em quando, poderá gerenciar o problema sem ajuda médica.

0
disfunção erétil
Alimentos saudáveis ​​diminuem o risco de disfunção erétil. ~ iStock
Há muitos homens que precisam de ajuda com disfunção erétil (DE). Alguns só lutam para conseguir ou manter uma ereção na ocasião ímpar, enquanto outros têm um problema mais permanente.

Há uma série de tratamentos radicais disponíveis, mas se você só tiver disfunção erétil ocasional e quiser tratá-la sem qualquer intervenção médica, poderá fazê-lo em casa – com alimentos.

Dieta saudável

“Uma dieta saudável e a evitação de alimentos não saudáveis ​​altamente processados ​​ajudarão muito a aliviar os sintomas da disfunção erétil”, disse Zakariyya Patel, do Complexo Hospitalar Pelonomi, em Bloemfontein.

Embora certos alimentos possam ajudar na DE, os casos não são bem documentados e a evidência é apenas anedótica – baseada em relatos individuais, disse o Dr. Patel. Esses alimentos podem ser rotulados como afrodisíacos e, embora algumas pessoas possam jurar por seus efeitos, não há evidência médica de que qualquer alimento específico possa curar a disfunção erétil.

“A razão para isso é que a DE é uma condição complexa que pode ter etiologia complicada (causas). Assim, certos alimentos podem aumentar o desejo sexual até certo ponto, mas isso não significa que ele mudará o DE se a causa subjacente não for tratada ”, acrescentou o Dr. Patel.

Alimentos que podem aumentar seu desejo sexual:

Bagas (bem como frutas cítricas) contêm produtos químicos que estão associados a um risco reduzido de disfunção erétil.
O chocolate escuro aumenta os níveis de dopamina, o hormônio do prazer, no corpo.
As ostras contêm mais zinco do que outros alimentos e ajudam na mobilidade dos espermatozóides.
Pimenta caiena aumenta a freqüência cardíaca e libera endorfinas.
O vinho tinto relaxa as artérias e aumenta o fluxo sanguíneo para os genitais. (Vinho tinto contém os mesmos compostos bioquímicos encontrados em frutas vermelhas e frutas cítricas.)
Pistácios contêm a proteína arginina, que relaxa os vasos sanguíneos, aumentando o fluxo sanguíneo em todo o corpo.
Café. Um estudo sugere que a cafeína relaxa certos músculos e artérias no pênis, aumentando o fluxo sanguíneo e ajudando a manter uma ereção.
Seu estilo de vida tem um impacto

Devido ao fato de que fatores fisiológicos como o fluxo sangüíneo e os níveis hormonais podem afetar a disfunção erétil, uma boa dieta com as vitaminas e minerais certos otimizará a saúde sexual do paciente, de acordo com o Dr. Patel.

Não significa, no entanto, que haja uma ‘bala de prata’ que resolva ‘magicamente’ o problema.

Leia também: Estimulante sexual masculino qual é o melhor

E como a população mundial luta contra a obesidade e doenças cardiovasculares, há um aumento significativo em doenças como hipertensão e diabetes, que têm um impacto direto no fluxo sanguíneo – consequentemente, aumentando a gravidade da disfunção erétil, acrescentou Patel.

Exercício pode ajudar

Estudos mostraram que homens que se exercitam mais têm melhor função sexual e erétil. A melhor função sexual foi relatada por homens no estudo que se envolveram em duas horas de exercícios extenuantes, 3,5 horas de exercício moderado ou seis horas de exercícios leves por semana.

E embora não haja nenhum exercício específico que os homens precisem fazer para alcançar uma melhor saúde sexual, qualquer forma de exercício é melhor do que nenhuma.

IMPOTÊNCIA SEXUAL – CAUSAS DA DISFUNÇÃO ERÉTIL

IMPOTÊNCIA SEXUAL – CAUSAS DA DISFUNÇÃO ERÉTIL

Saiba mais: Prime Male estrias

A impotência sexual, também conhecida como disfunção erétil, é a incapacidade do homem em iniciar e/ou manter uma ereção do pênis suficiente para que haja relações sexuais.

Neste texto vamos explicar o que é a impotência sexual, abordando as suas causas, sintomas e as opções de tratamento.

Disfunção erétil
Os homens apresentam quatro grandes grupos de problemas sexuais:

Disfunção erétil.
Ejaculação precoce.
Falta de libido.
Dificuldades para ejacular.
A saúde sexual é atualmente um importante fator na qualidade de vida das pessoas. A impotência sexual apesar de não ser um problema de saúde que traga riscos à vida, pode trazer consequências indesejáveis à vida pessoal do paciente, influindo em relacionamentos e autoestima, podendo, inclusive, levar o paciente à depressão.

É importante notar que ter dificuldades eventuais na ereção não é considerado impotência. Para que seja considerada disfunção erétil o homem precisa ser incapaz de ter ou manter ereções em pelo menos 75% das tentativas. Não conseguir ter ereção satisfatória por vez ou outra é completamente normal e acontece com todos os homens, mesmo os mais jovens.

É importante diferenciar a impotência sexual da falta de libido. Na disfunção erétil, o homem sente desejo sexual mas é incapaz de manter ou iniciar uma ereção satisfatória. Na falta de libido, a ereção não ocorre por ausência de interesse sexual.

A prevalência da impotência sexual aumenta com a idade e com a presença de outras doenças, como diabetes, hipertensão, doenças cardíacas, obesidades, etc. Estima-se que entre 30 a 40% dos homens acima dos 40 anos apresentam algum grau de disfunção erétil.

Como se dá a ereção do pênis?
A função sexual masculina é controlada pela interação dos sistemas neurológico, hormonal, vascular e psicológico. Qualquer distúrbio em um desses sistemas pode causar problemas de ereção. Saber como surge a ereção é importante para entender a impotência sexual e como funcionam os atuais tratamento, como o famoso Viagra.

Grosso modo, podemos resumir a ereção como um evento vascular, desencadeado por sinais neurológicos e facilitado por um adequado meio hormonal e psicológico. Vamos explicar.

A ereção do pênis ocorre quando o corpo cavernoso, duas estruturas esponjosas em forma de cilindros paralelos dentro do pênis, ficam cheios de sangue. O pênis enche-se de tal modo que comprime as suas veias impedindo que o sangue retorne para o resto do organismo. O corpo cavernoso fica, assim, cheio de sangue, mantendo a ereção até o final do estímulo sexual. Quando há um orgasmo ou quando o estímulo para a ereção acaba, o corpo cavernoso se esvazia, o pênis volta a ficar flácido.

Para que o corpo cavernoso encha-se de sangue é preciso um sinal do sistema nervoso central, liberando uma substância chamada óxido nítrico. Este neurotransmissor é quem relaxa os vasos sanguíneos do corpo cavernoso, facilitando a entrada de sangue no mesmo. Enquanto houver óxido nítrico no corpo cavernoso, o pênis se manterá cheio de sangue, e portanto, ereto; quando os níveis de óxido nítrico caem, a ereção termina.

Fatores psicológicos e hormonais, como alterações nos níveis de testosterona e dos hormônios da tireoide, por exemplo, podem interferir neste sistema neurológico-vascular da ereção.

A ereção noturna do pênis é um fenômeno normal que ocorre durante o sono profundo e não está relacionada a existência de sonhos eróticos. Este tipo de ereção inicia-se na adolescência e persiste por boa parte da vida. A presença de ereções noturnas normais em homens com disfunção erétil fala a favor de causas psicológicas para a mesma, enquanto homens que não apresentam ereções nem durante o sono, normalmente têm algum problema orgânico por trás. Homens com dificuldades em atingir estágios de sono profundo também podem não apresentar esse tipo de ereção.

Fatores de risco e causas da impotência sexual
Apesar da idade ser popularmente conhecida como o principal fator de risco pra a disfunção erétil, na verdade, o envelhecimento em si não é tão culpado quanto as doenças que surgem com ele. Uma pessoa mais velha e completamente saudável sem medicamentos é plenamente capaz de conseguir ereções satisfatórias na maioria dos casos. Um homem saudável de 65 anos pode ter mais “potência” que um homem de 40 anos com histórico de diabetes e doenças cardiovasculares.

Entre as doenças e problemas mais relacionados à disfunção erétil estão:

Diabetes mellitus.
Hipertensão.
Obesidade.
Doença cardiovascular.
Dislipidemia.
Tabagismo.
Alcoolismo.
AVC.
Insuficiência renal crônica.
Doenças da tireoide.
Qualquer doença crônica pode aumentar os riscos da impotência sexual, e, para piorar o quadro, muitos dos medicamentos usados no tratamento destas doenças também colaboram para a disfunção erétil. Estima-se que até 1/4 dos casos de impotência sejam causados por essas drogas. Antidepressivos e medicamentos para hipertensão (todas as classes) são os principais vilões.

Existem ainda outras causas para a disfunção erétil, entre elas, traumas na região pélvica, quimioterapia, radioterapia na região pélvica, cirurgias para câncer de próstata, cirurgias na região pélvica e andar de bicicleta por demasiado tempo (ciclistas profissionais).

Grande parte dessas doenças causam distúrbios em um dos dois principais sistemas da ereção:

Impedem uma boa vascularização do pênis.
Atrapalham na produção e liberação do óxido nítrico.
Impotência de origem psicológica
Nem toda disfunção erétil está relacionada a alguma doença orgânica; fatores psicológicos também podem ser os responsáveis. Estresses do dia a dia podem causar perda de concentração e queda na libido, interferindo na performance masculina. Problemas profissionais, financeiros ou matrimoniais são as causas mais comuns.

Além dos estresses cotidianos, a ansiedade pelo ato sexual também é uma causa comum de impotência. A obrigação que a sociedade impõe ao homem de sempre ter que estar pronto para satisfazer a mulher, transformando uma falha em algo vergonhoso, acaba sendo muita pressão para algumas pessoas. A ansiedade em relação a performance acaba crescendo se o homem já experimentou dificuldades de ereção anteriormente. Em alguns casos a preocupação em ter e manter a ereção acaba se tornando o principal foco, fazendo com que o ato sexual em si torne-se secundário. Este nervosismo se transforma em uma bola de neve, causando novos episódios de impotência, que por sua vez, levam a mais ansiedade.

A depressão é outra causa de disfunção erétil. Assim como na ansiedade, esse processo pode se auto-alimentar. Muitos homens não aceitam que sua performance sexual irá diminuir com o passar dos anos, e, em alguns casos, episódios de incapacidade para manter a ereção podem levar a quadros depressivos.

Antes de seguir em frente, veja esse vídeo com dicas para o tratamento da disfunção erétil de origem psicológica.

Tratamento da impotência sexual com remédios
Durante muitos anos tratamos a impotência sexual como uma consequência natural do envelhecimento, como se pessoas mais velhas não tivessem direito a uma vida sexual ativa. Até há alguns anos pessoas idosas não procuravam ajuda médica por causa de impotência, aceitando a disfunção erétil como algo incontornável.

Como já explicado, na maior parte dos casos de disfunção erétil, há uma causa orgânica por trás. Quando não há uma doença crônica conhecida, a dosagem sanguínea dos hormônios da tireoide, da testosterona e da prolactina são necessários para se determinar se há uma ambiente hormonal adequado para a ereção.

Um melhor controle das doenças crônicas, do ambiente hormonal e a suspensão, quando possível, de drogas que possam estar atrapalhando, são importantes no tratamento da disfunção erétil.

Inibidores da Fosfodiesterase Tipo 5

No final da década de 1990 houve uma revolução no tratamento da impotência sexual com o advento das drogas inibidoras da Fosfodiesterase Tipo 5 (inibidores da PDE5). As principais drogas desta classe são:

Sildenafil (Viagra®)
Vardenafil (Levitra®)
Tadalafil (Cialis®)
A fosfodiesterase Tipo 5 (PDE5) é uma substância que age eliminando o óxido nítrico da circulação sanguínea, fazendo com que diminua a quantidade de sangue no corpo cavernoso. Portanto, drogas que inibam a ação da PDE5, aumentam o tempo de permanência do óxido nítrico, consequentemente, facilitando a ereção.

Essas drogas não devem ser usadas sem avaliação médica, não só pelo riscos de efeitos adversos, mas também porque, sem uma completa avaliação, elas podem ser ineficazes. Se o paciente apresenta, por exemplo, deficiência de testosterona, somente o Viagra não irá resolver seu problema. Nos diabéticos, apenas 50% apresentam resposta aos comprimidos. Se o problema for de ordem vascular, nem sempre aumentar o óxido nítrico irá resultar.

1. Sildenafil (Viagra®) – Foi a primeira droga desta classe a ser lançada. Deve ser tomada 1 hora antes das relações e sua ação inicia-se após 30 minutos e dura em média 4 horas.

2. Vardenafil (Levitra®) – É uma droga semelhante ao sildenafil, com mais ou menos a mesma eficácia, tempo de ação e efeitos colaterais.

3- Tadalafil (Cialis®) – Apresenta como principal diferencial o fato da ação da droga iniciar-se com apenas 15 minutos, podendo durar por até 36 horas. Isto não significa que o paciente terá uma ereção que dure 36 horas, mas sim que dentro de um intervalo de 36h este terá mais facilidade em ter ereções quando houver estímulo sexual.

4. Avanafil (Spedra®) – Ainda não disponível no Brasil, mas sim na Europa e EUA, é o mais novo fármaco da classe e apresenta rápido efeito, podendo ser tomado 15 minutos antes da relação.

No final das contas, as quatro opções apresentam eficácia semelhantes, ficando a critério do paciente escolher aquela que ele mais se adapta, levando em conta o preço e a posologia.

Os inibidores da PDE5 podem causar queda da pressão arterial e nunca devem ser tomados por pacientes que fazem uso de nitratos. Pacientes com doenças cardíacas ou medicados com drogas para hiperplasia da próstata também devem ter cuidado com este medicamento. Para saber mais detalhes sobre o Viagra, Cialis e Levitra, leia: REMÉDIOS PARA IMPOTÊNCIA | Viagra, Cialis e Levitra

Os inibidores da PDE5 são atualmente a primeira escolha no tratamento da disfunção erétil e apresentam taxa de eficácia acima de 70%. Quando não há resposta ou quando o paciente não pode tomar essas drogas, existem outras opções para o tratamento da impotência; entre elas podemos citar a administração de drogas com injeção intra peniana ou intra uretral. Existem também alguns aparelhos que agem criando vácuo, favorecendo a circulação de sangue para o pênis.

Aqui está o que comer para ser melhor na cama

Este estudo pode interessar muita gente. Cientistas da Universidade de Harvard publicaram recentemente um estudo de alimentos que apoiariam um bom desempenho sexual. Não, não é brincadeira.

Esqueça as batatas fritas antes do amor, se você quiser levar o seu parceiro para o sétimo céu! Um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition revela as ligações de certos alimentos com o desempenho sexual. Para realizar essa estranha pesquisa, cientistas das universidades de Harvard e East Anglia acompanharam cerca de 50 mil homens por cerca de 40 anos. Os entrevistados foram então convidados a preencher um questionário específico sobre como eles comem a cada quatro anos. Exames de saúde também foram solicitados. Segundo esses pesquisadores, o consumo de flavonóidesteria aparecido como o melhor estimulante sexual. De fato, encontramos esses antioxidantes em muitas frutas e vegetais . Por exemplo, eles estão presentes em mirtilos, cerejas, algumas frutas cítricas ou rabanetes. O de chocolate também fazem parte da lista, mas seria menos eficaz do que outros alimentos quando se trata de se divertindo sob as cobertas.

Frutas e vinho

Estes flavonóides realmente promovem uma boa circulação sanguínea, o que é importante para a ereção. Combinando esses alimentos com um pouco de exercício seria a melhor receita para manter sua atividade sexual no topo. Segundo os autores deste estudo, isso preocuparia principalmente os homens de meia-idade. Então você pode correr na cidade para comprar frutas, chá, legumes e até mesmo uma garrafa de vinho para sua amada. Não, as pizzasInfelizmente, eles não estão na lista, mas o vinho tinto é recomendado. Então, é claro, você sabe o que acontece quando você bebe demais. No entanto, uma bebida ao longo do tempo também pode ser útil. De vez em quando, não mais. O ponto importante é que o consumo desses alimentos não seria benéfico para a atividade sexual, mas especialmente para a saúde em geral. ” Além de promover o desempenho íntimo de homens de meia-idade, ele também impactos sobre segurando o coração. Problemas de ereção muitas vezes aparecem como um barómetro para problemas vasculares e muitas vezes prevenir a disfunção cardíaca e convulsões “, diz Professor Rimm no Telegraph. Você vai entender: é hora de impor uma salada de frutas diariamente querida!

Leia aqui se o estimulante chamado Max Gel Funciona.

O que colocar no nosso prato?

Alcalóides: aveia, chocolate, chá, açafrão, romã.

Aquecimento e energização de alimentos: pimenta, anis, cardamomo, gengibre, gengibre, ginseng, noz-moscada, pimenta caiena, cravo, canela.

Mas também … baunilha, que tem a reputação de dar força e força aos homens. Preparado em infusão e vinho, à noite, torna os amantes “impacientes”. O jasmim também teria efeitos eufóricos.

Para estimular hormônios

Promover a produção de nossos hormônios sexuais, isso significa agir sobre a química do nosso cérebro, despertando todos os componentes na origem do desejo sexual. Muitos nutrientes afetam nossos hormônios, com ações muito específicas: o borato de sódio melhora os níveis de testosterona em humanos, o zinco interage com os hormônios sexuais, o selênio garante boa saúde para os espermatozóides. Alguns alimentos específicos contêm fitoestrógenos, substâncias próximas aos hormônios sexuais que aumentam sua secreção.

O que colocar no nosso prato?

De fitoestrogênios: coentro, batata-doce, feijão, alcachofra, gengibre, mostarda, rúcula, aspargos, pernas de rã.

Zinco: crustáceos, nozes, ovo, aspargos, quinoa, arroz.

Selênio: alho, amêndoa, cebola, cogumelo, chalota, grão de bico, farinha integral.

Mas também … aveia (que estimula a secreção de testosterona), frutas vermelhas (que contêm manganês, um mineral que está envolvido na síntese de hormônios sexuais) ou aipo (que atua na espermatogênese, isto é, a fabricação de espermatozóides).

Para preparar o corpo dele

Graças à nossa dieta, podemos melhorar a nossa circulação sanguínea, seja fortalecendo as veias ou dilatando os vasos. Isso promove o influxo de sangue necessário para a ereção masculina e, em geral, a irrigação das partes íntimas. O que tonificar seu corpo e dar-lhe a energia que ele precisa para o sexo.

4 vantagens em ter um acompanhante que tenha um pênis pequeno

Ao contrário do que sugerem alguns clichês de nossa sociedade, ter um cônjuge que tenha um pequeno sexo não é necessariamente sinônimo de uma vida sexual sem entusiasmo. A prova por quatro!

Em termos de sexo, é como tudo: todo mundo é diferente e tem suas preferências . Mas muitas vezes as mulheres podem se confundir com um homem que tem um pênis pequeno . O preconceito é difícil, enquanto, finalmente, a vida sexual de um casal neste caso pode ser tão satisfatória! Se você tem medo de que o falo do seu companheiro não seja grande o suficiente, não há dúvida de que o que está escrito abaixo irá tranquilizá-lo (e ele também!) .

Um pênis pequeno pode ser tão satisfatório

Em nossa sociedade, os grandes sexos, como podemos ver em filmes pornográficos, tendem a ser um símbolo de virilidade. No entanto, não devemos esquecer que esta não é a norma . Alguns pênis podem ser considerados pequenos quando estão próximos da média, 13,12 cm eretos, de acordo com um estudo da BJU International .

Devemos, portanto, fazer a diferença entre o imaginário coletivo e a realidade . Finalmente, até mesmo um falo que parece pequeno pode não ser tanto assim! Especialmente desde que a profundidade da vagina de uma mulher é entre 8 e 12 cm em média. Quando você sabe que ter um “pouco” sexo não é uma desvantagem …

Algumas práticas serão mais fáceis

Para implementar algumas práticas sexuais, ter um sexo com um tamanho abaixo da média pode ser um benefício. Esse é particularmente o caso do sexo oral ou da sodomia . Para o primeiro, evita desconforto se, quando você agir, você percebe que o sexo do seu companheiro é muito grande comparado à sua boca. No caso do segundo, é uma prática muitas vezes dolorosa no começo, e um sexo relativamente pequeno pode finalmente ser reconfortante.

Sua vida sexual é certa apimentar

Algumas mulheres gostam de penetrações profundas, e quando o homem não tem um sexo muito longo, nem sempre é fácil. Se este é o seu caso, felizmente existem posições que permitem, como o andromaque  ou o swing . Cabe a você encontrar os que combinam com você. E o riso descobrindo as posições mais improváveis ​​do kamasutra não deixará de aproximar você! Caso seu parceiro realmente tenha um micro-pênis (com 7 cm de comprimento ereto), existe a opção de brinquedos sexuais. Você pode escolher os modelos que o tentam juntos e aprender a usá-los dois … Links serão criados!

Não deve ser esquecido que a relação sexual não se limita à penetração , e que você também pode levar o seu pé através de preliminares prolongadas.

A retomada do sexo após o parto provavelmente será mais fácil

Com um companheiro que tem um sexo imponente, os relacionamentos já podem ser dolorosos antes de ter um filho, e a maioria das jovens mães tem medo de retomar o sexo depois do parto, porque muitas vezes tem medo da dor. No entanto, no momento do parto, a vagina pode ter sofrido abuso, especialmente se houve episiotomia ou lágrimas , o que só aumenta o risco de dor durante o sexo . Com um homem que tem um sexo pequeno, pode ser mais fácil, mas ainda planeja levar o seu tempo e não hesite em manter um tubo de lubrificante na mão. E acima de tudo, não esqueça de respeitar o período mínimo de quinze dias para evitar infecções.

Ereção macia: quais são as causas e soluções?

Uma ereção peniana normal é o resultado de processos complexos que irão interagir com a sua psique, o seu sistema nervoso, as suas hormonas, a sua circulação sanguínea, mas também os músculos do seu pênis. Resultado: o menor defeito de qualquer um desses processos pode causar problemas de ereção. Como uma ereção suave: isso não será forte o suficiente para penetrar seu parceiro. E isso pode fazer você perder a confiança em si mesmo e complicar significativamente sua relação sexual;

Neste artigo, vamos ajudá-lo a encontrar os possíveis fatores que podem explicar por que você tem uma ereção suave. Causas possíveis incluem fatores externos que podem parecer triviais para você. Como beber álcool ou fumar. Mas também os possíveis distúrbios físicos e psíquicos que podem afetar negativamente sua vida sexual.

Apresentaremos também as soluções naturais e medicinais que lhe permitirão encontrar uma ereção vigorosa e duradoura.

O que é uma ereção suave?

Os distúrbios sexuais mais comuns em homens incluem ejaculação precoce e disfunção erétil. O primeiro toque na maioria das vezes homens jovens. Enquanto o último é mais amplamente observado entre os homens de uma certa idade.

No caso de uma ereção suave, você terá sucesso na flexão. Mas ela não será tão forte como de costume . Isso não é impotência masculina, pois você será capaz de sentir prazer. E ainda consegue ejacular. Para falar sobre um distúrbio de ereção, também terá que acontecer regularmente (por pelo menos 3 meses) e para cada um dos seus relatórios. Não entre em pânico se você tiver enfaixado depois de uma noite muito regada. Ou uma longa semana de trabalho.

De acordo com estudos recentes, esta é uma situação bastante comum, mesmo entre os homens com menos de 40 anos de idade. De fato, mais de 25% deles enfrentariam problemas de ereção, sejam eles moderados ou mais graves.

Quais são as possíveis causas?

As causas de uma ereção suave podem ser psicológicas ou físicas. Dependendo da sua idade, a probabilidade tenderá para o primeiro (para o mais novo) ou o segundo (para o mais velho). Aqui estão as principais origens de um distúrbio de ereção.

Um distúrbio cardiovascular

Qualquer condição que afete a rede de seus vasos sanguíneos pode causar disfunção erétil. Por exemplo, a pressão alta e o colesterol alto endurecerão suas artérias, inclusive seu pênis. Problemas cardíacos, sejam congestivos ou de ataque cardíaco, também podem impedir que você tenha uma ereção vigorosa.

Um problema hormonal

Os desequilíbrios endócrinos podem causar uma ereção suave. De fato, a testosterona desempenha um papel importante na sua capacidade de bandagem. E níveis normais fortes são essenciais para o bom funcionamento do seu pênis. Um distúrbio erétil pode ser um sinal de altos níveis de prolactina ou hormônios da tireóide.

Da mesma forma, um nível de hormônio da tireoide muito baixo pode impedir que você faça curativos suficientes. Diabetes também é bem conhecido por causar disfunção erétil. Na verdade, 35 a 50% dos homens com diabetes têm dificuldade em obter uma ereção vigorosa.

Um distúrbio neurológico

Um problema nos seus nervos pode causar ereções suaves. Especialmente se você tiver esclerose múltipla ou acidente vascular cerebral. Se você teve uma operação na próstata ou bexiga, você pode ter danos nos nervos que também podem causar disfunção erétil.

Parkinson e Alzheimer também são dois distúrbios cerebrais que podem causar disfunção erétil. Lesões da medula espinhal ou da pelve também podem danificar os processos fisiológicos essenciais para a função erétil normal.

Conheça o estimulante sexual masculino chamado Tauron.

Um distúrbio neurológico

Um problema nos seus nervos pode causar ereções suaves. Especialmente se você tiver esclerose múltipla ou acidente vascular cerebral. Se você teve uma operação na próstata ou bexiga, você pode ter danos nos nervos que também podem causar disfunção erétil.

Parkinson e Alzheimer também são dois distúrbios cerebrais que podem causar disfunção erétil. Lesões da medula espinhal ou da pelve também podem danificar os processos fisiológicos essenciais para a função erétil normal.

Fumar e uso excessivo de álcool e drogas

Drogas ilícitas, álcool ou medicamentos prescritos também podem explicar por que você tem uma ereção suave. Maconha, álcool e heroína também são causas reconhecidas de disfunção erétil. Muitos medicamentos prescritos também podem estar envolvidos.

Estes incluem aqueles para o tratamento de hipertensão, depressão, ansiedade e úlcera. Esteróides anabolizantes ou anti-histamínicos (que alguns fisiculturistas tomam) podem causar uma ereção suave. Mesmo em um homem jovem e saudável.

.

Fumar e uso excessivo de álcool e drogas

Drogas ilícitas, álcool ou medicamentos prescritos também podem explicar por que você tem uma ereção suave. Maconha, álcool e heroína também são causas reconhecidas de disfunção erétil. Muitos medicamentos prescritos também podem estar envolvidos.

Estes incluem aqueles para o tratamento de hipertensão, depressão, ansiedade e úlcera. Esteróides anabolizantes ou anti-histamínicos (que alguns fisiculturistas tomam) podem causar uma ereção suave. Mesmo em um homem jovem e saudável.

ABC do sexo: todas as nossas dicas de sexo … vistas pelos homens!

Como todos nós gostamos de dicas de sexo, inventamos um ABC do sexo não picado pela chafer! Testemunhos informações inéditas, navegue pelo nosso dico perso sex onde quiser, e não hesite em encurralar as páginas – ou melhor, colocar em seus favoritos – qualquer coisa que lhe interesse!

A teoria, nós sabemos, mas a prática é muitas vezes outra coisa … Por isso nos rodeamos com alguns machos com a língua pendurada, para que eles nos dêem seus pequenos segredos e seus conselhos, para que tudo vai bem … na cama!

A do sexo

Não, não é sobre lamber o dedo anelar do seu parceiro. Seja como for, nada impede que você tente, afinal de contas … Mas este nome se refere a uma prática diferente, mais abaixo, sim, aqui, mais atrás, é isso aí, você está lá: no ânus de sua querida! 
Mas ainda assim …
“A primeira vez que uma garota fez isso comigo, eu fiquei super surpresa e envergonhada. Essa área é um pouco tabu, ainda mais em um homem! Eu adorei, é uma sensação nova e emocionante, uma ótima maneira de variar os prazeres! ” Marc, 31 anos 
Conselhos de sexo
“Durante um fellatio, aventure-se suavemente em direção a essa área, primeiro acariciando seu dedo, depois com a língua … Uma dica de sexo: vá devagar, é sobre a nossa masculinidade. ” Karim, 28 anos

B do sexo

Por que espanhol? O mistério permanece. O fato é que as crianças francesas também adoram essa prática de se masturbar entre os seios de seu parceiro. E não necessariamente quando comer tapas. 
Mas ainda assim …
“É macio, confortável, fofo, e especialmente excitante psicologicamente, provavelmente relacionado a algumas lembranças de alguns filmes …” Clément, 29 anos 
O conselho sexual
“A prática é, na minha opinião, reservar os seios grandes Para os menos abastados, você não precisa se cansar de tentar, porque de repente o contato não é particularmente agradável … ” Harry, 34

C como um capuz

Na França, a cada 5 horas, quase 3 pessoas ainda estão infectadas pelo HIV. Então este não é o momento de deixá-lo no armário. Especialmente porque existe para todos os gostos: azedo, colorido, vibrante, quente, fosforescente, para se perguntar se em breve haverá quem vai fazer café. 
Mas ainda assim …
“Eu fico sempre um pouco surpresa quando uma garota não propõe ou recusa o preservativo no início de um relacionamento. Na verdade, isso não me inspira confiança. Eu digo que é necessariamente inconsciente, descuidado de seu corpo ou de sua vida, ou tudo isso ao mesmo tempo … ” Alain, 35 anos 
Conselhos sobre sexo
“Nós não vamos mentir, que diz, por vezes, disse Small momento alto de hesitação, quebrando o ritmo … No entanto, enfiando o topo pode ser um momento muito sensual se a menina sabe: se ela te beija languorously enquanto ela a coloca, se ela colocar gentilmente enquanto acaricia seus testículos, ela dá um lado especialista muito convincente! ” Danny, 29 anos

Conheça o melhor estimulante sexual do mercado, o Big Size.

D como dominação

Se eles gostam de ter a última palavra nas discussões e ter a vantagem nos conflitos, nem sempre é a mesma sob a colcha. E não há necessidade de peidar a panóplia de látex para interpretar a amante intransigente e dominadora. 
Mas ainda assim …
“De vez em quando eu gosto de sentir que sou para o meu parceiro apenas um objeto sexual: que é ela quem dirige, quem decide, quem dá as ordens e que eu minha única missão é responder aos seus desejos “. Louis, 35 anos 
Conselhos de sexo
“Você pode começar bloqueando nossos braços cruzando a cabeça, depois amarrá-los na cama, depois nos vendando … Mas eu acho que temos que ir gradualmente, porque sem sermos avisados, podemos ter algo assustador! ” Edouard, 32 anos

Problemas que as pessoas enfrentam com sexualidade

Homossexualidade latente ou não reconhecida

Isso pode ter consequências no curso das relações sexuais.

Estresse, depressão, ansiedade.

A tensão nervosa gerada por preocupações (isto inclui querer agradar e satisfazer seu parceiro), estresse , ansiedade ou depressão geralmente reduz o desejo sexual e o descuido.

Ataques, agressão sexual ou estupro

As mulheres que sofreram abuso sexual no passado muitas vezes relatam sentir dor durante o sexo.

Problemas de saúde que afetam os genitais ou relacionados.

As mulheres que têm uma infecção por fungos , uma infecção da bexiga , uma infecção sexualmente transmissível ou vestibulitis (inflamação das membranas mucosas que circundam a vagina) experiência de dor vaginal durante o sexo devido ao desconforto e secagem membranas mucosas que essas afecções provocam.

As mulheres com endometriose geralmente sentem dor durante a relação sexual. Ter uma alergia a certos tecidos usados ​​na fabricação de roupas íntimas, espermicidas ou preservativos de látex também pode causar dor.

Essas dificuldades, mesmo as mais precisas, podem levar a dificuldades sexuais muito depois. De fato, o corpo tem uma memória e pode ter medo do contato sexual se tiver contatos médicos dolorosos.

Doença crônica ou tomar medicação.

Doenças graves ou crônicas que alteram grandemente a energia, o estado psicológico e o estilo de vida ( artrite , câncer , dores crônicas , etc.) geralmente causam impacto na paixão sexual.

Além disso, alguns medicamentos reduzem o fluxo de sangue para o clitóris e genitais, dificultando o alcance do orgasmo. Este é o caso de alguns medicamentos contra a pressão alta. Além disso, outras medicações podem diminuir a lubrificação da mucosa vaginal em algumas mulheres: pílulas anticoncepcionais, anti-histamínicos e antidepressivos. Alguns antidepressivos são conhecidos por retardar ou bloquear o início do orgasmo (em homens e mulheres).

Conheça o estimulante chamado Macho Power.

Gravidez e seus diferentes estados também modificam o desejo sexual

O desejo sexual pode ser reduzido em mulheres que sofrem de náusea, vômito e dor na mama, ou se a gravidez é angustiante.

A partir do segundo trimestre, a excitação sexual tende a ser maior porque a corrente sanguínea é ativada na região sexual, apenas para treinar a criança e alimentá-lo. Esta ativação leva ao aumento da irrigação e reatividade dos órgãos sexuais. Um aumento na libido pode resultar.

Com a chegada iminente de transformações do bebê e do corpo que estão aumentando, o gene mecânico (gordura da barriga, dificuldade em encontrar uma posição sexual confortável) pode reduzir o desejo sexual. O desejo sexual naturalmente diminui após o parto por causa do colapso dos hormônios. Isso resulta em um bloqueio total do desejo na maioria das mulheres por pelo menos 3 a 6 meses e uma secura vaginal frequentemente importante.

Além disso, como o parto alonga os músculos envolvidos no orgasmo, é aconselhável realizar sessões de treinamento muscular perineal prescritas pelo médico após o parto. Isso ajuda a encontrar orgasmos mais funcionais mais rapidamente.

Declínio do desejo sexual na menopausa.

Os hormônios estrogênio e testosterona  – as mulheres também produzem testosterona, mas em quantidades menores do que os homens – parecem desempenhar um papel importante no desejo sexual . A transição para a menopausa , diminui a produção de estrogênio. Em algumas mulheres, isso causa uma queda na libido e, especialmente, gradualmente, em alguns anos, isso pode causar ressecamento vaginal. Isso pode criar uma irritação desagradável durante o sexo e é altamente aconselhável conversar com seu médico, pois atualmente existem soluções para este problema.

Disfunção sexual feminina: uma nova doença para tratar?

Em relação à disfunção erétil em homens , a disfunção sexual em mulheres não tem sido objeto de tantos ensaios clínicos. Especialistas não concordam plenamente sobre a prevalência de disfunção sexual em mulheres. Porque na verdade são várias dificuldades sexuais muito diferentes reunidas em uma entidade grande.

Alguns sustentam resultados de estudos que sugerem que quase metade das mulheres sofreria. Outros questionam o valor desses dados apontando que eles vêm de pesquisadores que procuram novas oportunidades lucrativas para suas moléculas farmacêuticas. Eles temem a medicalização inadequada de distúrbios que não são necessariamente médicos.

Impotência sexual – Causas da disfunção erétil

Impotência sexual – Causas da disfunção erétil

A impotência sexual, também conhecida como disfunção erétil, é a incapacidade do homem em iniciar e/ou manter uma ereção do pênis suficiente para que haja relações sexuais.

Neste texto vamos explicar o que é a impotência sexual, abordando as suas causas, sintomas e as opções de tratamento.

DISFUNÇÃO ERÉTIL
Os homens apresentam quatro grandes grupos de problemas sexuais:

Disfunção erétil.
Ejaculação precoce.
Falta de libido.
Dificuldades para ejacular.
A saúde sexual é atualmente um importante fator na qualidade de vida das pessoas. A impotência sexual apesar de não ser um problema de saúde que traga riscos à vida, pode trazer consequências indesejáveis à vida pessoal do paciente, influindo em relacionamentos e autoestima, podendo, inclusive, levar o paciente à depressão.

É importante notar que ter dificuldades eventuais na ereção não é considerado impotência. Para que seja considerada disfunção erétil o homem precisa ser incapaz de ter ou manter ereções em pelo menos 75% das tentativas. Não conseguir ter ereção satisfatória por vez ou outra é completamente normal e acontece com todos os homens, mesmo os mais jovens.

É importante diferenciar a impotência sexual da falta de libido. Na disfunção erétil, o homem sente desejo sexual mas é incapaz de manter ou iniciar uma ereção satisfatória. Na falta de libido, a ereção não ocorre por ausência de interesse sexual.

A prevalência da impotência sexual aumenta com a idade e com a presença de outras doenças, como diabetes, hipertensão, doenças cardíacas, obesidades, etc. Estima-se que entre 30 a 40% dos homens acima dos 40 anos apresentam algum grau de disfunção erétil.

COMO SE DÁ A EREÇÃO DO PÊNIS?
A função sexual masculina é controlada pela interação dos sistemas neurológico, hormonal, vascular e psicológico. Qualquer distúrbio em um desses sistemas pode causar problemas de ereção. Saber como surge a ereção é importante para entender a impotência sexual e como funcionam os atuais tratamento, como o famoso Viagra.

Grosso modo, podemos resumir a ereção como um evento vascular, desencadeado por sinais neurológicos e facilitado por um adequado meio hormonal e psicológico. Vamos explicar.

A ereção do pênis ocorre quando o corpo cavernoso, duas estruturas esponjosas em forma de cilindros paralelos dentro do pênis, ficam cheios de sangue. O pênis enche-se de tal modo que comprime as suas veias impedindo que o sangue retorne para o resto do organismo. O corpo cavernoso fica, assim, cheio de sangue, mantendo a ereção até o final do estímulo sexual. Quando há um orgasmo ou quando o estímulo para a ereção acaba, o corpo cavernoso se esvazia, o pênis volta a ficar flácido.

Para que o corpo cavernoso encha-se de sangue é preciso um sinal do sistema nervoso central, liberando uma substância chamada óxido nítrico. Este neurotransmissor é quem relaxa os vasos sanguíneos do corpo cavernoso, facilitando a entrada de sangue no mesmo. Enquanto houver óxido nítrico no corpo cavernoso, o pênis se manterá cheio de sangue, e portanto, ereto; quando os níveis de óxido nítrico caem, a ereção termina.

Fatores psicológicos e hormonais, como alterações nos níveis de testosterona e dos hormônios da tireoide, por exemplo, podem interferir neste sistema neurológico-vascular da ereção.

A ereção noturna do pênis é um fenômeno normal que ocorre durante o sono profundo e não está relacionada a existência de sonhos eróticos. Este tipo de ereção inicia-se na adolescência e persiste por boa parte da vida. A presença de ereções noturnas normais em homens com disfunção erétil fala a favor de causas psicológicas para a mesma, enquanto homens que não apresentam ereções nem durante o sono, normalmente têm algum problema orgânico por trás. Homens com dificuldades em atingir estágios de sono profundo também podem não apresentar esse tipo de ereção.

FATORES DE RISCO E CAUSAS DA IMPOTÊNCIA SEXUAL
Apesar da idade ser popularmente conhecida como o principal fator de risco pra a disfunção erétil, na verdade, o envelhecimento em si não é tão culpado quanto as doenças que surgem com ele. Uma pessoa mais velha e completamente saudável sem medicamentos é plenamente capaz de conseguir ereções satisfatórias na maioria dos casos. Um homem saudável de 65 anos pode ter mais “potência” que um homem de 40 anos com histórico de diabetes e doenças cardiovasculares.

Entre as doenças e problemas mais relacionados à disfunção erétil estão:

Diabetes mellitus.
Hipertensão.
Obesidade.
Doença cardiovascular.
Dislipidemia.
Tabagismo.
Alcoolismo.
AVC.
Insuficiência renal crônica.
Doenças da tireoide.
Qualquer doença crônica pode aumentar os riscos da impotência sexual, e, para piorar o quadro, muitos dos medicamentos usados no tratamento destas doenças também colaboram para a disfunção erétil. Estima-se que até 1/4 dos casos de impotência sejam causados por essas drogas. Antidepressivos e medicamentos para hipertensão (todas as classes) são os principais vilões.

Existem ainda outras causas para a disfunção erétil, entre elas, traumas na região pélvica, quimioterapia, radioterapia na região pélvica, cirurgias para câncer de próstata, cirurgias na região pélvica e andar de bicicleta por demasiado tempo (ciclistas profissionais).

Grande parte dessas doenças causam distúrbios em um dos dois principais sistemas da ereção:

Impedem uma boa vascularização do pênis.
Atrapalham na produção e liberação do óxido nítrico.
IMPOTÊNCIA DE ORIGEM PSICOLÓGICA
Nem toda disfunção erétil está relacionada a alguma doença orgânica; fatores psicológicos também podem ser os responsáveis. Estresses do dia a dia podem causar perda de concentração e queda na libido, interferindo na performance masculina. Problemas profissionais, financeiros ou matrimoniais são as causas mais comuns.

Além dos estresses cotidianos, a ansiedade pelo ato sexual também é uma causa comum de impotência. A obrigação que a sociedade impõe ao homem de sempre ter que estar pronto para satisfazer a mulher, transformando uma falha em algo vergonhoso, acaba sendo muita pressão para algumas pessoas. A ansiedade em relação a performance acaba crescendo se o homem já experimentou dificuldades de ereção anteriormente. Em alguns casos a preocupação em ter e manter a ereção acaba se tornando o principal foco, fazendo com que o ato sexual em si torne-se secundário. Este nervosismo se transforma em uma bola de neve, causando novos episódios de impotência, que por sua vez, levam a mais ansiedade.

A depressão é outra causa de disfunção erétil. Assim como na ansiedade, esse processo pode se auto-alimentar. Muitos homens não aceitam que sua performance sexual irá diminuir com o passar dos anos, e, em alguns casos, episódios de incapacidade para manter a ereção podem levar a quadros depressivos.

Antes de seguir em frente, veja esse vídeo com dicas para o tratamento da disfunção erétil de origem psicológica.

TRATAMENTO DA IMPOTÊNCIA SEXUAL COM REMÉDIOS
Durante muitos anos tratamos a impotência sexual como uma consequência natural do envelhecimento, como se pessoas mais velhas não tivessem direito a uma vida sexual ativa. Até há alguns anos pessoas idosas não procuravam ajuda médica por causa de impotência, aceitando a disfunção erétil como algo incontornável.

Como já explicado, na maior parte dos casos de disfunção erétil, há uma causa orgânica por trás. Quando não há uma doença crônica conhecida, a dosagem sanguínea dos hormônios da tireoide, da testosterona e da prolactina são necessários para se determinar se há uma ambiente hormonal adequado para a ereção.

Um melhor controle das doenças crônicas, do ambiente hormonal e a suspensão, quando possível, de drogas que possam estar atrapalhando, são importantes no tratamento da disfunção erétil.

Leia também: o que é remédio para ereção

Inibidores da Fosfodiesterase Tipo 5

No final da década de 1990 houve uma revolução no tratamento da impotência sexual com o advento das drogas inibidoras da Fosfodiesterase Tipo 5 (inibidores da PDE5). As principais drogas desta classe são:

Sildenafil (Viagra®)
Vardenafil (Levitra®)
Tadalafil (Cialis®)
A fosfodiesterase Tipo 5 (PDE5) é uma substância que age eliminando o óxido nítrico da circulação sanguínea, fazendo com que diminua a quantidade de sangue no corpo cavernoso. Portanto, drogas que inibam a ação da PDE5, aumentam o tempo de permanência do óxido nítrico, consequentemente, facilitando a ereção.

Essas drogas não devem ser usadas sem avaliação médica, não só pelo riscos de efeitos adversos, mas também porque, sem uma completa avaliação, elas podem ser ineficazes. Se o paciente apresenta, por exemplo, deficiência de testosterona, somente o Viagra não irá resolver seu problema. Nos diabéticos, apenas 50% apresentam resposta aos comprimidos. Se o problema for de ordem vascular, nem sempre aumentar o óxido nítrico irá resultar.

1. Sildenafil (Viagra®) – Foi a primeira droga desta classe a ser lançada. Deve ser tomada 1 hora antes das relações e sua ação inicia-se após 30 minutos e dura em média 4 horas.

2. Vardenafil (Levitra®) – É uma droga semelhante ao sildenafil, com mais ou menos a mesma eficácia, tempo de ação e efeitos colaterais.

3- Tadalafil (Cialis®) – Apresenta como principal diferencial o fato da ação da droga iniciar-se com apenas 15 minutos, podendo durar por até 36 horas. Isto não significa que o paciente terá uma ereção que dure 36 horas, mas sim que dentro de um intervalo de 36h este terá mais facilidade em ter ereções quando houver estímulo sexual.

4. Avanafil (Spedra®) – Ainda não disponível no Brasil, mas sim na Europa e EUA, é o mais novo fármaco da classe e apresenta rápido efeito, podendo ser tomado 15 minutos antes da relação.

No final das contas, as quatro opções apresentam eficácia semelhantes, ficando a critério do paciente escolher aquela que ele mais se adapta, levando em conta o preço e a posologia.

Os inibidores da PDE5 podem causar queda da pressão arterial e nunca devem ser tomados por pacientes que fazem uso de nitratos. Pacientes com doenças cardíacas ou medicados com drogas para hiperplasia da próstata também devem ter cuidado com este medicamento. Para saber mais detalhes sobre o Viagra, Cialis e Levitra, leia: REMÉDIOS PARA IMPOTÊNCIA | Viagra, Cialis e Levitra

Os inibidores da PDE5 são atualmente a primeira escolha no tratamento da disfunção erétil e apresentam taxa de eficácia acima de 70%. Quando não há resposta ou quando o paciente não pode tomar essas drogas, existem outras opções para o tratamento da impotência; entre elas podemos citar a administração de drogas com injeção intra peniana ou intra uretral. Existem também alguns aparelhos que agem criando vácuo, favorecendo a circulação de sangue para o pênis.

A implantação de uma prótese peniana é atualmente um tratamento de 3ª linha, sendo indicado apenas quando os tratamentos descritos anteriormente não apresentam sucesso.

Como tratar a ejaculação precoce

A ejaculação precoce

É um distúrbio típico de homens jovens, em início de atividade sexual. Não existe ejaculação precoce feminina. Este é um distúrbio exclusivamente masculino.

Quando ocorre ocasionalmente, principalmente com parceiras novas, após longo período de abstinência ou nas primeiras relações sexuais da vida, não é considerado nenhum problema médico.

Neste artigo vamos explicar o que é a ejaculação precoce, quais são as suas causas e as opções de tratamento.

O QUE É EJACULAÇÃO PRECOCE
Não há uma definição muito objetiva do que é ejaculação precoce. Não existe um tempo limite. Alguns casos são óbvios com a ejaculação acontecendo antes mesmo de haver penetração.

Em geral, define-se como uma incapacidade de controlar a ejaculação de modo que a relação seja satisfatória para o casal.

A ejaculação precoce é considerada um problema quando afeta mais de 50% das relações sexuais de adultos.

Hoje em dia se considera a ejaculação precoce um distúrbio psicológico e não uma doença orgânica propriamente dita. Não existe nenhum tipo de problema no sistema reprodutivo masculino. Pênis, testículos, próstata e vesículas seminais estão em perfeita ordem.

A ejaculação precoce pode ser dividia em primária, quando ocorre desde início da vida sexual, ou secundária, quando surge depois de alguns anos de vida sexual normal.

Normalmente nos casos primários existe algum distúrbio psicológico como ansiedade, sentimento de culpa em relação ao sexo, ou antecedentes de situações traumáticas, como abusos sexuais ou simplesmente ter sido surpreendido por alguém enquanto se masturbava.

Nos casos secundários, a ejaculação precoce pode ocorrer por um sentimento de inferioridade do homem em relação a mulher. Algo como: ela é “muita areia para o meu caminhão”. Novas parceiras depois de um relacionamento longo podem levar a um sentimento de obrigação de ser efetivo.

A ejaculação precoce pode também surgir após um episódio isolado de impotência sexual, provocando um quadro de ansiedade nas próximas relações. Cobranças da mulher em relação ao desempenho sexual masculino ou simplesmente o fato da nova parceira demorar mais tempo do que a anterior para atingir o orgasmo também podem ser a causa.

Como se pode ver, são todos problemas de fundo psicológico. O fato é que um episódio isolado de ejaculação precoce pode causar um estresse e uma frustração tão grande que este passa a ser o próprio fator desencadeante.

Na verdade, existem relatos de que a ejaculação precoce pode ser causada por alterações hormonais ou dos nervos que transportam os sinais dos órgãos sexuais ao cérebro. Porém, nenhuma causa objetiva foi identificada até o momento.

Antes de seguir em frente, assista a um vídeo produzido pela equipe do MD.Saúde sobre 10 motivos que podem levar o homem a ejacular mais rapidamente do que o desejado.

TRATAMENTO DA EJACULAÇÃO PRECOCE
O tratamento da ejaculação precoce pode ser feito em quatro linhas:

1. Controle da ejaculação
Algumas técnicas ajudam no prolongamento do ato sexual, como pausas quando o estímulo começar a ficar muito intenso; pode-se retirar o pênis da vagina e fazer compressão da glande (cabeça do pênis) por alguns segundos. Outra opção é pensar em fatos pouco estimulantes durante o ato sexual, como contas a pagar ou problemas no trabalho, voltando a se concentrar no mesmo após diminuição do estímulo.

Outra opção é treinar o controle através da masturbação, realizando pausas para se prolongar ereção e o período sem orgasmo.

Quando é possível prever uma relação sexual para as próximas horas, algumas pessoas sem problemas para iniciar uma ereção podem se masturbar algum tempo antes de modo que no momento do ato, a excitação não seja tão intensa.

Em alguns homens a simples presença da camisinha é suficiente para diminuir a sensibilidade peniana e evitar a ejaculação precoce. Há camisinhas mais grossas, que diminuem a sensibilidade do pênis, ajudando em alguns casos (leia: CAMISINHA | Tudo o que você precisa saber).

2. Apoio psicológico
Alguns casos de ansiedade intensa ou problemas psicológicos podem precisar de ajuda profissional. Muitos homens conseguem controle da sua ereção após iniciar tratamento psicológico.

3. Medicamentos para ejaculação precoce
Existem algumas opções, como cremes anestésicos ou camisinhas com produtos que diminuem a sensibilidade do pênis.

Em alguns caso antidepressivos como Sertralina, Dapoxetina, Fluoxetina ou Paroxetina ajudam no tratamento da ejaculação precoce (leia: ANTIDEPRESSIVOS: Escitalopram, Citalopram, Fluoxetina, Sertralina e Paroxetina)

Leia também: Aumento peniano métodos

Nunca se automedique, pois o uso inapropriado de um medicamento pode trazer efeitos colaterais e piorar o quadro.

4. Amadurecimento
A ejaculação precoce é muito comum em adolescentes e pessoas no início da vida sexual. A ajuda e compreensão da parceira é essencial para não se criar um peso excessivo sobre o fato. Conforme o homem vai ficando mais à vontade com a vida sexual, ele começa a ter maior controle sobre a sua ejaculação.

O melhor tratamento para a ejaculação precoce em jovens é o treino, ou seja, praticar sexo sem culpa.