7 Melhores Tratamentos Para Rugas e Flacidez do Rosto ADEUS RUGAS! VOCÊ PODEROSA PARA BRILHAR!

7 Melhores Tratamentos Para Rugas e Flacidez do Rosto ADEUS RUGAS! VOCÊ PODEROSA PARA BRILHAR!

Quer um tratamento caseiro para rugas que funciona?
Conheça os melhores remédios caseiros para combater a flacidez facial, rugas e linhas de expressão, ficando com um rosto mais jovem e bonito sem gastar nada

Qual Alternativa Você Precisa?
→ Abaixo Você Encontra as Informações Simples e Fáceis de Colocar em Prática O Momento é Esse Escolha uma

Saiba mais: Proteína asiática o que é

Tem duvidas sobre Tratamentos para Rugas e Flacidez do Rosto, preparamos um artigo com Melhores Tratamentos Para Ruga.

Tratamentos não faltam para os chatos pés de galinha e linhas finas, mas há muita confusão sobre o que funciona e o que é besteira. Agora um pouco de clareza para nossas mentes.

Ao longo da última década, pesquisadores da Universidade de Michigan têm estudado sobre os mecanismos por trás do envelhecimento da pele e surgiu com uma melhor compreensão como domar melhor o processo sem Botox ou Cirurgia Plástica.

Depois de analisar várias dezenas de seus estudos, a equipe informou no mês passado que três tratamentos definitivamente rejuvenescem a pele: o ácido retinóico tópico, dióxido de carbono resurfacing a laser e injeções de ácido hialurônico reticulado.

Por que eles funcionam? Todos os três são capazes de repor um pouco do que a pele perde com o tempo: o colágeno.

As rugas e sardas se formam quando o colágeno se rompe o que sinaliza as células para parar de fazer isso.

Idade e exposição ao sol são os maiores motivos das benditas rugas. Mas este ciclo não é irreversível.

Os tratamentos podem realmente fazer melhorias grandes.

Mãos e pés ressecados durante o tratamento quimioterápico – o que fazer?

Mãos e pés ressecados durante o tratamento quimioterápico – o que fazer?

O tratamento quimioterápico é um tratamento oncológico feito com o uso de diferentes medicamentos isolados ou combinados para inibir o crescimento de tumores e combatê-los. Por vezes, esses tratamentos trazem efeitos colaterais observados em alguns pacientes.

Um dos efeitos colaterais da quimioterapia é a síndrome mão-pé. Dependendo do medicamento utilizado e da duração do tratamento, o paciente pode desenvolver o ressecamento das palmas das mãos e solas dos pés.

Esse ressecamento pode evoluir para sintomas mais graves, impossibilitando atividades corriqueiras, como manusear objetos ou caminhar. Para que esses sintomas possam ser evitados, é preciso seguir algumas recomendações.

Hoje, vamos compartilhar o que fazer para evitar e amenizar os sintomas da síndrome mão-pé. Acompanhe!

O que é a síndrome mão-pé?
As mãos e pés ressecados durante o tratamento quimioterápico são sintomas de uma síndrome chamada de síndrome mão-pé. Ela acomete principalmente as palmas das mãos e solas dos pés, mas em casos incomuns também pode ser observada em joelhos e cotovelos.

É desencadeada como efeito colateral do tratamento quimioterápico, dependendo do medicamento utilizado e da duração do tratamento. Os pacientes podem ou não apresentar essa síndrome, sendo também um fator do organismo de cada um.

Leia também: pés ressecados

Em sua fase moderada, os sintomas são a vermelhidão, o inchaço e a sensação de formigamento ou queimação. Já na fase mais grave, os sintomas podem incluir rachadura ou descamação da pele, feridas, dor intensa e dificuldade para andar ou usar as mãos.

É importante que o paciente cuide da hidratação da pele desde o momento antes de iniciar o tratamento, a fim de proteger o organismo contra esses efeitos colaterais. Se os cuidados forem feitos da forma correta, esses efeitos aparecerão somente no final do tratamento, quando ele está prestes a terminar, ou não aparecerão.

E o que fazer com pés e mãos ressecados durante o tratamento quimioterápico?
A solução mais indicada é o uso de hidratantes e produtos de cuidados específicos para esses casos. A Wecare possui produtos de cuidados para quimioterapia especialmente desenvolvidos para cuidar de pacientes que vão passar ou estão passando pelo tratamento.

Nesta etapa, o paciente não pode e não deve utilizar qualquer hidratante ou quaisquer produtos que costumava utilizar antes, ou que já tenha em casa. Isso porque esses produtos podem possuir componentes que agridem a pele do paciente, causando complicações ao invés de ajudar.

Um desses componentes é o parabeno, conservante que protege o produto contra fungos e bactérias. Em pacientes oncológicos, o parabeno pode ser agressivo à pele, resultando em irritações mais intensas.

Outro ingrediente que não pode estar presente é o perfume. Qualquer tipo de fragrância adicionada também faz mal à pele do paciente oncológico. Por isso, não é qualquer produto que pode ser usado em casos de mãos e pés ressecados durante o tratamento quimioterápico.

Quais as recomendações mais confiáveis?

1 – Limpeza
Os cuidados para pés e mãos ressecados durante o tratamento quimioterápico começam com a limpeza da pele. Primeiramente, o paciente não deve utilizar sabonetes que contenham parabenos ou que não tenham o pH da pele.

Tanto para tomar banho quanto para lavar as mãos, é indicado o uso do Washcare, que é rico em aminoácidos naturais e limpa a pele sem agredi-la. Composto por uma combinação de elementos naturais, ele deixa a pele limpa sem remover a hidratação, pois possui o pH da pele.

O Washcare é indicado por não conter nenhum elemento agressivo à pele do paciente oncológico, como fragrância, corantes ou parabeno. Assim, são removidas somente as células mortas da pele, mantendo a proteção e a hidratação.

2 – Hidratação mais intensa
Especificamente para pés e mãos ressecados durante o tratamento quimioterápico, é indicado o Extremecare. Seus componentes estão presentes em maior concentração, sendo especialmente desenvolvidos para hidratar as áreas mais ressecadas, como pés, mãos, cotovelos e joelhos.

O Extremecare não possui nenhum elemento agressivo que possa danificar a pele do paciente oncológico. Sua hidratação é mais intensa e pode ser capaz de repor a hidratação perdida durante o tratamento.

Sendo altamente recomendado para pés e mãos ressecados durante o tratamento quimioterápico, o Extremecare é feito a partir de 9 componentes que são hidratantes naturais, e que se complementam de forma equilibrada, fornecendo um efeito super-hidratante.

Quanto antes o paciente iniciar os cuidados (antes mesmo de iniciar o tratamento) melhores serão os resultados, podendo adiar bastante ou até mesmo evitar o aparecimento do ressecamento em pés e mãos.

Concluindo
Pés e mãos ressecados durante o tratamento quimioterápico devem ser cuidados da forma certa e com os produtos certos. Jamais devem ser utilizados produtos com fragrância, conservantes ou corantes.

Os mais indicados são o Washcare para limpeza, e o Extremecare para hidratação das áreas mais ressecadas, como pés, mãos, cotovelos e joelhos.

Apesar de a pele do paciente oncológico ser extremamente sensível em determinados casos, os cuidados corretos podem evitar o aparecimento desse evento adverso.

Guia da pele saudável: 5 hábitos para abandonar agora!

Guia da pele saudável: 5 hábitos para abandonar agora!

Você é daquelas pessoas que não perde um lançamento de um creme para a pele e, mesmo assim, vê que o rosto e o corpo não tem o mesmo frescor de antigamente? Saiba que você mesmo pode estar sabotando os benefícios dos produtos e tratamentos estéticos com alguns hábitos nada saudáveis! No post de hoje, vamos te mostrar quais são esses vilões da pele saudável.

Acompanhe e saiba como eliminá-los de vez da sua rotina!

1. Má alimentação
A alimentação desequilibrada influi negativamente na pele, provocando o aumento dos radicais livres e, consequentemente, o envelhecimento precoce.

O consumo excessivo de alimentos com muita gordura ou açúcar interfere na oleosidade de sua pele e permitindo o surgimento de espinhas, sem falar na temida celulite. Pele mais seca do que o normal, rugas e flacidez também podem ser consequência da má alimentação.

Para você que busca manter a pele saudável, o ideal é seguir uma alimentação equilibrada. Combata os radicais livres, investindo nas hortaliças, frutas, legumes e cerais integrais. Ricos em antioxidantes naturais, esses alimentos cuidam da saúde da pele de dentro para fora, deixando-a cheia de viço.

Leia também: Dicas para pele saudável

Os mais indicados são aqueles alimentos ricos em vitaminas A — como o mamão e cenoura, que ainda ajudam a manter o bronzeado em dia —, em vitamina C — presente nos alimentos cítricos e frutas vermelhas, que combatem diretamente o envelhecimento precoce — e vitamina E — que ajuda a diminuir o ressecamento da pele e acelera o processo de cicatrização.

2. Dormir mal
Noites mal dormidas são sinônimo de cansaço, olheiras e pele opaca. Enquanto você dorme, seu corpo promove uma verdadeira faxina no organismo. Por isso, não dispense uma boa noite de sono!

Enquanto dormirmos, nosso corpo produz hormônios essenciais para a saúde da pele, como o hormônio do crescimento e a melatonina, responsáveis pelo rejuvenescimento das células.

O recomendável é uma média de 7 a 8 horas de sono por dia. Tente criar uma rotina para conseguir dormir bem todos os dias. Evite também ficar ligada na TV ou nas redes sociais até tarde, pois esse estímulo antes de dormir prejudica o sono tranquilo e também faz mal à pele.

3. Não remover a maquiagem
Você até pode ter uma noite de sono reparador, mas se costuma esquecer de retirar a maquiagem antes de dormir, todos os benefícios vão por água abaixo!

À noite, a pele aumenta sua capacidade de absorção e qualquer resíduo de maquiagem pode permitir a proliferação de bactérias e surgimento de rugas.

Mesmo quando estiver cansada, não deixe de dedicar alguns minutos para remover qualquer sujeira da pele. Use um removedor de maquiagem e enxague o rosto com sabão neutro específico para o rosto com um pouco de água fria para fechar os poros.

4. Beber pouca água
Faça um teste: dê uma leve beliscada na pele e veja se ao soltar ela volta ao normal. Se demorar um pouco, pode ser que sua pele esteja desidratada e flácida, um dos sintomas surgidos com o baixo consumo de água.

O uso de cremes pode ajudar na hidratação da pele, mas para garantir a pele saudável, você precisa consumir pelo menos 6 copos de água por dia. Sucos artificiais, café e refrigerantes não entram nessa conta, que pode ser incrementada com a ingestão de líquidos como sucos de frutas ou infusões.

Com uma ingestão diária regular de água, além de garantir uma pele firme e hidratada, você também elimina outras toxinas prejudiciais e garante sua beleza e saúde.

5. Se expor ao sol sem protetor solar
Além do calorão, o sol emite os temíveis raios ultravioletas A e B, grandes vilões da pele saudável. Sabia que essa radiação solar é tão potente que é capaz de alterar o DNA das células da pele? O resultado é o envelhecimento precoce, manchas, sardas, rugas, pele áspera e, em casos extremos, o câncer de pele.

Antes de sair de casa, não deixe aplicar um filtro com o fator de proteção solar (FPS) mínimo de 30 no rosto e partes sensíveis da pele, como pescoço, colo e mãos.

Com pequenas alterações no seu dia a dia, você vai garantir a pele saudável e bonita sempre! E você, comete algum desses pecados da pele? Comente!

Problemas de pele como micoses, brotoejas e acne solar são comuns no verão

Problemas de pele como micoses, brotoejas e acne solar são comuns no verão

As queimaduras provocadas pela exposição ao sol sem proteção e em horários críticos são uma das maiores preocupações com a pele durante o verão. Mas outros problemas podem afetar regiões como rosto e pescoço. As brotoejas, por exemplo, são reações da pele ao excesso de suor.

— Elas aparecem mais no verão por conta do aumento de temperatura, o que provoca um acúmulo de suor em algumas áreas do corpo, como nas dobras, causando um entupimento das glândulas sudoríparas e gerando as bolinhas — explica a dermatologista Marcela Studart.

De acordo com a especialista, o atrito faz a brotoeja piorar. É importante não coçar para que as bolinhas não virem feridas. Elas são comuns nas crianças mais novas, por causa da facilidade com que suam associado ao número maior de “dobrinhas”.

Um outro problema que pode afetar a pele durante os dias mais quentes é a acne solar. A radiação do sol queima a pele e gera um edema, que obstrui as glândulas de suor.

— Com o entupimento das glândulas, associada à oleosidade do filtro solar e outros cremes, o aparecimento de acne é favorecido — diz a dermatologista Christiane Gonzaga.

Leia também: principais Problemas de pele

As micoses são outra preocupação que se deve ter com a pele neste período de verão. Elas estão ligadas à associação de calor e umidade, muito comuns nos dias mais quentes. Esse ambiente se torna propício para a multiplicação de microrganismos que já existem na pele, provocando a ferida.

— Existem também aquelas micoses que são conhecidas como “pano branco”, que aparecem mais no verão porque o fungo não deixa a pele se bronzear. Isto ocorre por causa de um desequilíbrio da flora cutânea e favorece a proliferação destes fungos. E a pessoa acaba achando que pegou a micose na praia — diz Christiane.

Pele flácida: aprenda como prevenir e amenizar a flacidez

Pele flácida: aprenda como prevenir e amenizar a flacidez

A flacidez é um processo natural do envelhecimento, mas alguns hábitos que pioram o quadro podem ser evitados
Afinamento da pele e perda de sustentação, tanto na face, como no corpo… A flacidez pode ser definida, resumidamente, como a falta de tonicidade da pele.

Juliana Jordão, médica dermatologista e membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia, comenta que muitas mulheres identificam a chegada da flacidez quando sentem sua pele mais amolecida e percebem o surgimento de bolsas nas pálpebras, ou de excesso de pele no contorno mandibular e pescoço.

5 maneiras de tratar e amenizar a flacidez da pele
Abaixo você confere as principais orientações dos profissionais sobre quais medidas você pode tomar para cuidar da flacidez da face e do corpo.

Leia também: Flacidez como evitar

Michele Haikal, dermatologista especialista em medicina antienvelhecimento e ciências nutricionais associadas ao exercício físico, comenta que, independentemente de onde ocorre a flacidez, ela tem a ver com a derme, que é onde ficam as fibras colágenas e as fibras elásticas, e pode também ter a ver, dependendo do caso, com a musculatura.

“Os cremes são absorvidos até a epiderme, para chegar na derme tem que ser feito algo injetável ou tem que ter a ajuda de algum aparelho que abra a porta de entrada, por exemplo o laser de co2, ou ainda um microagulhamento. A menos que o creme seja um gel transdérmico… Mas nesse caso a substância irá para o organismo inteiro, e tem que ter obrigatoriamente prescrição médica, de acordo com os exames de cada um, pois estes geralmente são géis transdérmicos hormonais, portanto, devem ser prescritos baseados nos exames de hormônios dos pacientes e agirão porque irão atuar no organismo inteiro e inclusive na derme e musculatura. Realmente quando se mexe nesta parte, temos os melhores efeitos de todos, sem comparação com outros procedimentos, pois isto é tratar a causa”, diz.

Leia também: 29 dicas para você perder barriga

Rosto e pescoço

Para Juliana, o uso de cremes é interessante. “Cremes com ácido hialurônico mantêm a pele hidratada. Cremes com vitamina C e resveratrol, por exemplo, funcionam como antioxidantes, prevenindo o processo de envelhecimento.” Confira alguns cremes que podem ser usados a fim de amenizar e combater a flacidez facial:

Máscaras faciais: o que são, para que servem e como as usar

Máscaras faciais: o que são, para que servem e como as usar

São o patinho feio dos produtos de beleza e deixam-nos com o ar de quem pôs a cara num bolo. Todas achamos que podíamos passar bem sem elas mas 15 minutos e uma máscara podem mesmo fazer milagres.

Limpeza, tónico, hidratante, creme… Acha que já tem a sua rotina de cuidados de pele completa? Não, está a saltar um passo muito importante — uma máscara facial. Sim, estamos a falar daquelas com que vemos as atrizes nos filmes de Hollywood, enquanto falam ao telefone na cama. Mas saiba que não é a única se pensar que as máscaras significam tratamentos em spa, ou mistelas feitas com receitas caseiras. Esqueça essa ideia. Hoje em dia, já é possível tratar do rosto e usufruir dos privilégios de um tratamento em casa, sem que, para isso, tenha de esvaziar o frigorifico à procura dos ingredientes certos. E se acha que este é um produto dispensável, o uso de uma máscara é uma das etapas obrigatórias de uma boa rotina de pele. O truque passa por saber escolher a certa e como a usar devidamente.

Leia também: Máscara de pepino fazer

O que são?
As máscaras de beleza são fórmulas que, trocando por miúdos, contêm alta concentração de ingredientes ativos e, por isso, vão atuar como uma bomba na pele e fornecer uma nutrição profunda. Se já se está a perguntar “então porque é que tanta gente negligencia este passo?”, a resposta é simples: porque leva tempo. A maioria das máscaras faciais tem de atuar entre cinco a 15 minutos no rosto (com exceção de uma ou outra express que atuam por dois ou três minutos). E numa altura em que grande parte das marcas de cosméticos procura arranjar soluções rápidas, as máscaras continuam a ser um passo que requer algum esforço da nossa parte. Mas os benefícios são muitos: hidratar, desintoxicar, aumentar a circulação sanguínea e repor os nutrientes são apenas alguns deles.

Para que servem?
Se já usa um hidratante diariamente, usar uma máscara que também vai hidratar parece não fazer grande sentido, é verdade. Mas lembre-se dos cuidados que tem no banho. Além do champô e do amaciador não usa, semanalmente, uma máscara para tratar e restaurar o cabelo? (Se não usa, tem de começar a usar!) As máscaras faciais seguem a mesma lógica. São uma forma caseira e fácil de proporcionar uma espécie de guloseima à pele. Ao contrário dos cremes ou dos séruns, as máscaras não são absorvidas mas ficam à superfície da pele. Daí que são um complemento obrigatório porque, enquanto os restantes produtos tratam interiormente, a máscara dá um boost à superfície. Quer tenha uma ocasião especial em que queira ter a pele sem defeitos ou apenas para começar a semana com um aspeto radiante, há máscaras para todos os problemas que pode imaginar — pele seca, desidratada, com acne, oleosa, para rejuvenescer, para manchas…

Como as usar?
Pode parecer um filme de ficção científica. Mas aplicar uma máscara é literalmente o passo mais fácil da rotina de beleza porque não tem de se preocupar com a ordem correta dos produtos ou se há qualquer modo de aplicação específico que tenha de ser realizado. É simplesmente colocar, esperar e lavar. E independentemente do tipo de máscara que está a usar, o step-by-step é sempre o mesmo.

Antes de mais, o rosto deve estar devidamente limpo e esfoliado antes de aplicar qualquer máscara. Assim, comece por passar o rosto por água quente (ou molhe uma toalha o mais quente que conseguir suportar, e deixe-a repousar no rosto durante dois minutos), para abrir os poros, limpe bem e, de seguida, aplique a máscara por todo o rosto numa camada única. E depois? Bem, depois pode beber um copo de vinho, ou espreitar o Instagram, ou folhear uma revista, ou ler as novidades do Observador…. durante cinco a 15 minutos (cada máscara especifica o tempo adequado). Et voilá, está pronta para retirar tudo com água e aplicar os seus habituais produtos de beleza.

Quando usar?
Quando quiser mas, no máximo, duas vezes por semana. O domingo à noite é o dia ideal porque, além de relaxar e desintoxicar a pele de todas as agressões que sofreu durante a semana, está a prepará-la para a semana que virá.

Entre máscaras express de três minutos, máscaras para pele cansada, com efeito lifting, anti-borbulhas, com ação esfoliante, para proteger do frio e até para peles depois dos 50 anos, há opções para todos os gostos. Veja as nossas sugestões na fotogaleria em cima.

Conheça 8 fatores que agravam as olheiras

Conheça 8 fatores que agravam as olheiras

Até mesmo o uso errado da maquiagem pode aumentar os círculos escuros abaixo dos seus olhos

Olheiras são um problema comum entre mulheres e homens e que costuma incomodar bastante. Mas antes de lançar mão de toda a gama de corretivos que existem hoje em dia, saiba que entender o que está causando suas olheiras é fundamental para combatê-las e até mesmo evitá-las!

Na maior parte das vezes as olheiras estão ligadas à genética. “Normalmente o paciente tem uma tendência a ter olheira e por conta disso, vai depositando pigmento na região abaixo dos olhos no decorrer da vida, ou apresentando problemas na região”, explica o dermatologista Abdo Salomão, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Dada essa pré-disposição, são diversos os fatores que podem causar as olheiras, mas de um modo geral, ela pode ser classificada em dois tipos: ?uma delas é vascular, quando os vasos sanguíneos ficam visíveis, que normalmente tem a coloração azulada. Já a outra é a pigmentar, quando há acúmulo de melanina na região, e por isso terá a cor marrom”, ensina a dermatologista Tatiana Steiner, especialista pela SBD. Mas é muito comum que as pessoas apresentem esses dois tipos de olheiras misturadas.

Além disso, normalmente a predisposição a ter olheiras é aumentada por alguns fatores e hábitos. Entenda melhor quais são eles e como eles influenciam no problema:

Cansaço e choro

Mulher triste e cansada – Foto: Getty Images
Os momentos em que as olheiras mais dão as caras é depois de uma sessão de choro ou uma noite mal dormida. Em ambos os casos, o escurecimento da região aparece devido a um problema circulatório. “As pálpebras são áreas terminais da face, e por isso ficam com muita vascularização, deixando a pele mais azulada”, sinaliza a dermatologista Mônica Aribi, membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).

Nesses casos, em que a má circulação é temporária, é possível amenizar as olheiras com alguns cuidados em casa: “É indicado o uso de compressas calmantes com água termal ou chá de camomila. Sempre gelado para ter um efeito anti-inflamatório devido a vasoconstrição”, explica a dermatologista Tatiana Steiner, especialista pela SBD.

Leia também: olheiras ante e depois

Maus hábitos

Mulher cansada e de ressaca – Foto: Getty Images
Hábitos de vida também podem influenciar no aparecimento de olheiras: tabagismo, privação de sono e estresse podem desencadear essas marcas por influenciarem diretamente na circulação do corpo todo, inclusive das pálpebras, dilatando os vasos e fazendo com que mais sangue apareça nessa região.

Nesses casos mais graves, além de usar as compressas três vezes ao dia, tratamentos estéticos podem ser indicados, como cremes anti-inflamatórios com ativos como camomila, arnica, calêndula, alantoína, própolis, bardana e vitamina K1. “A drenagem linfática facial é ótima nesses casos e existem também alguns lasers para o tratamento”, enumera a dermatologista Mônica.

Pele fina

Pele da pálpebra inferior – Foto: Getty Images
Quem tem a pele fininha costuma apresentar olheiras mais ressaltadas. “Esse tipo de pele permite maior visualização dos vasinhos externos das pálpebras. Pessoas mais claras e com excesso de vasos periféricos costumam apresentar este tipo de olheira”, indica Tatiana Steiner. Em geral, uma boa forma de reconhecer isso é através da observação: pessoas com pele mais fina tendem a ficar vermelhas com mais facilidade, por exemplo.

Nesses casos, alguns tipos de tratamento podem ser feitos. Nos casos de pele fina sem flacidez, o ultrassom estético focado pode firmar a área dos olhos, podendo ser feito uma vez ao ano. “Laser infravermelhos ajudam a aumentar a espessura da pele, e podem ser feitos três vezes ao ano”, ensina a dermatologista Mônica.

Flacidez

Mulher idosa, com flacidez nos olhos – Foto: Getty Images
Além disso, é normal que pessoas mais velhas apresentem uma pele mais fina, isso acontece devido às alterações hormonais que ocorrem com a idade, em maior ou menor intensidade. Em geral essa característica também está ligada à flacidez da pele: “o globo ocular sofre um deslocamento dentro da órbita e a gordura infraorbital é deslocada anteriormente, formando uma depressão e sombreado abaixo dele”, descreve Tatiana.

Para quem tem esse problema é possível lançar mão de cremes com diversos tipos de ativos, como:

– Antioxidantes, como as vitaminas A, C e E;

– Agentes de renovação, tais quais o retinol, alfahidroxiacidos, ácido glicólico;

– Agentes tensores, como os ativos raffermine, tensine;

– Fotoproteção solar, que impede a degradação do colágeno na região.

Tratamentos como a radiofrequência também ajudam. Nela, o calor emitido pelo aparelho estimula a formação de colágeno, o que enrijece a pele. O preenchimento com ácido hilaurônico também ajuda: “com essa técnica é possível afastar a pele dos vasos sanguíneos, diminuindo o aspecto escuro”, finaliza a especialista.

Por fim, se a flacidez já estiver muito acentuada, a blefaroplastia, cirurgia plástica das pálpebras, ajuda a colocar a pele da região no lugar, melhorando seu aspecto.

Esfregar os olhos

Mulher esfregando os olhos – Foto: Getty Images
O hábito de esfregar os olhos constantemente aumenta as olheiras e isso ocorre devido a dois mecanismos: primeiro por que o ato irrita a pele da região. “A melanina atua como uma proteção, se acumulando na região afetada”, explica Mônica. Portanto, pessoas que têm tendência genética a acumular melanina na região devem evitar esfregar os olhos com frequência. Nesses casos, o uso de hidratantes e massagens locais ajudam.

Além disso, o hábito de esfregar os olhos com força pode prejudicar a circulação. “O hábito pode acabar congestionando os vasos periféricos, levando à vermelhidão, escurecimento da área, inchaço e até a trauma, dependendo da intensidade”, alerta Tatiana Steiner. Nesses casos, o ideal é usar cremes com ativos para descongestionar e reduzir o edema (como camomila, arnica, calêndula, alantoína, bardana e vitamina K1) e outros que clareiam a região (tais quais a hidroquinona e vitamina C), conforme explica a especialista.

Exposição solar inadequada

Mulher protegendo os olhos do sol – Foto: Getty Images
Pessoas que tem tendência a acumular melanina na região dos olhos podem ter a olheira piorada pela exposição solar sem proteção. “A exposição solar excessiva proporciona o aumento da pigmentação e a diminuição da espessura da pele”, descreve Tatiana. Ou seja, as olheiras aumentam e ficam muito mais visíveis. Além disso, o hábito também ocasiona olheiras vasculares, pois causa a dilatação dos vasos sanguíneos da região.

Nesses casos, o primeiro passo é sempre usar protetor solar no rosto, hábito que não só previne olheiras, como também evita outros problemas de pele, como o envelhecimento e o câncer de pele. Além disso, o uso de cremes com ativos específicos para a região, tanto calmantes quanto clareadores, ajuda bastante a melhorar o aspecto da região. Entre os clareadores, a vitamina C e o ácido azelaico são boas opções.

Maquiagem

Mulher que dormiu de maquiagem – Foto: Getty Images
Não tirar a maquiagem da região dos olhos adequadamente é outro fator que pode aumentar as olheiras. Isso acontece por causa da pigmentação, pois a coloração escura fica na região. “Ocorre também uma desidratação na região, pois a pele fica ‘fechada’ e não permite uma circulação do oxigênio que nutre a pele”, adiciona Mônica Aribi. Por sorte, esse tipo de olheira é temporária, basta limpar melhor a pele da região para que ela se reverta.

Olhos fundos

Mulher com olhos fundos – Foto: Getty Images
A anatomia do rosto também pode favorecer olheiras, ou no caso criar uma ilusão de uma pele mais escura abaixo dos olhos. “A área abaixo dos olhos é mais côncava, portanto quem tem olhos mais profundos apresenta uma sombra na região”, considera a dermatologista Tatiana.

Nesses casos pode parecer que não há solução, mas tem como resolver sim. Um bom truque é usar um corretivo mais claro na região, que vai contrabalancear a sombra da região. A técnica, no entanto, pode evidenciar que a região está mais clara em locais bem iluminados ou ao tirar uma foto com flash, por exemplo.

Uma solução mais eficiente para o problema é a aplicação de ácido hialurônico no local. Ele reduz a profundidade dos olhos, reduzindo a sombra causada. Mas o ideal é que ele seja feito por um dermatologista experiente, para que o resultado fique natural. Além disso, é importante ressaltar que o ácido hialurônico é reabsorvido pela pele com o tempo, portanto, pode ser necessário fazer a aplicação novamente.

Colágeno: emagrece, deixa a pele firme e protege os ossos

O sucesso do colágeno hidrolisado não é de hoje. Há pelo menos três anos ele conquistou o público feminino com a promessa de firmar a pele e amenizar a fome. De lá para cá, a procura por essa substância – até então encontrada apenas em cápsula, sachê e bala manipulada -, triplicou. E, para acompanhar a demanda, as opções de produtos prontos com colágeno hidrolisado também aumentaram bastante. É só dar uma olhada na prateleira das farmácias e supermercados: além de balas e bombons de diferentes formatos, ele pode ser encontrado em águas aromatizadas, barrinha de cereais e até granola.

E as mulheres, claro, são as maiores consumidoras. Mas será que funciona mesmo? Ainda há poucas pesquisas científicas sobre o assunto, mas a maioria delas afirma que, sim, o colágeno ajuda a combater os quilinhos extras e a adiar o envelhecimento precoce.

O segredo dessa substância está no fato de ser uma proteína que o próprio organismo é capaz de produzir. Uma de suas principais funções é formar as fibras que dão sustentação à pele. Cabelo, unhas, ossos e cartilagens (tecidos que amortecem as articulações) também são beneficiados. Ou seja, ela garante que o corpo funcione bem por dentro e fique bonito por fora.

Confira também: Quer reforçar seu colágeno? Vá de chá de hibisco e vitamina C

Porém, pesquisas mostram que, a partir dos 30 anos, mesmo com uma alimentação balanceada, há uma perda anual em torno de 1%. Dos 50 anos em diante, a queda é bem mais drástica. A produção de colágeno cai para apenas 35%, em média. “O que as mulheres mais sentem é a redução da elasticidade e a hidratação da pele”, alerta a nutricionista Tatiana Pimentel, de Santos (SP). Daí para aparecer rugas, celulite e flacidez é um pulo. É por isso que muitos nutricionistas, nutrólogos e dermatologistas consideram a suplementação com o colágeno hidrolisado importante a partir dos 30 anos e essencial depois dos 50.

Colágeno na dose certa
Extraído do osso e da cartilagem do boi, o colágeno presente nos suplementos deve ser hidrolisado – ou seja, passar pelo processo de hidrólise (quebra pela água das moléculas de proteína) para que possa ser absorvido facilmente pelo organismo. Nesse formato, ele é considerado alimento pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e, portanto, você pode comprá-lo sem prescrição médica.

Mas, para obter os efeitos esperados, precisa acertar na dose. Em uma avaliação da Clínica Medcin Instituto da Pele, em São Paulo, os pesquisadores observaram que o consumo de 5 gramas de colágeno por dia, durante seis meses, foi capaz de melhorar a pele das pacientes entre 35 e 60 anos. Houve um aumento de 5,5% na firmeza e 10% na elasticidade. Mas a maioria dos especialistas recomenda uma dose um pouco maior: de 8 a 10 gramas de colágeno por dia.

Amigo da perda de peso
Quem está na faixa dos 20 pode ficar tranquila: ainda não é hora de aderir a doses extras dessa proteína. Uma dieta caprichada em alimentos que estimulam o organismo a produzir colágeno é suficiente.

Agora, se você vive estressada, fuma, abusa do sol e dos doces, ele começa a falhar mais cedo. Resultado: “A elasticidade da pele fica comprometida, surgindo flacidez e até estrias”, diz a dermatologista Carmem Durazzo, da Clínica Cliniderm, em São Paulo. E, sozinha, a dieta pode não dar conta. A suplementação pode ser indicada antes dos 30 anos para auxiliar na perda de peso, pois ameniza e adia a fome.

E mais: Colágeno: por que o suplemento é bom para a saúde e ajuda no esporte

“Diluído na água ou no suco, o colágeno em pó preenche o estômago rapidamente e faz com que o processo de esvaziamento aconteça mais devagar, prolongando a sensação de saciedade”, explica a nutricionista Sheila Mustafá, da Clínica Sheila Mustafá Nutrição e Estética, em São Paulo. Com isso, você consome menos calorias e emagrece e, ainda, diminui o risco de ficar flácida.

“O colágeno ajuda a manter a pele hidratada, melhorando a qualidade das fibras de sustentação”, complementa Sheila. Se você tiver oportunidade, consulte um profissional que possa prescrever o suplemento de acordo com suas necessidades. O resultado, com certeza, vai ser ainda melhor!

Dieta com colágeno
O suplemento não diminui a importância de uma dieta rica em alimentos que estimulam a produção de colágeno no organismo. Essa lista inclui carne magra, frango, peixe e ovo (especialmente a clara). Invista também em legumes, verduras, frutas e castanhas. “Eles têm os nutrientes (vitaminas A, C e E, selênio e zinco) que garantem a absorção do colágeno”, avisa o nutrólogo Mohamad Barakat, de São Paulo.

Leia também: Fascia bula

E a gelatina de caixinha? A proteína usada na composição não é hidrolisada (ou seja, é difícil de ser absorvida). Mas não deixa de ser uma boa opção de sobremesa leve. Apenas tenha o cuidado de escolher um tipo sem corantes artificiais, pois são substâncias que prejudicam a pele.

Bom para quem malha
Se você malha, tem mais um bom motivo para adotar o suplemento: ele é aliado das articulações. Em 2006, durante o encontro do American College of Sports Medicine, em Indianápolis, nos Estados Unidos, a apresentação de um estudo alemão com 100 atletas, de 15 a 80 anos, mostrou que o consumo de colágeno hidrolisado traz uma melhora importante nas articulações. Após 12 semanas consumindo 10 gramas do suplemento por dia, 79% dos participantes apresentaram maior mobilidade dos joelhos e dos quadris. A maioria relatou menos dor nessas articulações ao realizar exercícios de esforço e ao subir escada. Uma parte dos atletas também teve menos desconforto nos ombros.

Leia também: Skin renov é bom

Diferentes formas do suplemento
Sachê: é a versão mais indicada para diminuir a fome e prolongar a saciedade. O conteúdo de um sachê costuma ter o colágeno hidrolisado na dose diária recomendada – ou seja, de 8 a 10 gramas. Há ainda a opção de você mandar manipular o pó, que pode ser diluído na água, no suco ou no iogurte.

Cápsula: atende a quem não gosta do sabor adocicado do pó. Mas, para atingir a dose diária, você tem de consumir de 10 a 12 cápsulas por dia. E não traz a mesma saciedade da primeira versão.

Água aromatizada: algumas marcas concentram na garrafinha, geralmente entre 300 e 360 mililitros, a dose diária recomendada de 10 gramas de colágeno.

Bala: essa opção costuma oferecer em torno de 1,5 grama de colágeno por unidade. É bem pouco, mas vale para complementar o consumo diário da proteína. A bala também tem a vantagem de estimular a mastigação, além de enganar a vontade de comer um docinho.

Bombom: assim como a bala, tem pouco colágeno. Consuma-o como opção de um docinho que traz um benefício extra.

Granola, barra de cereais & cia.: optar por esses produtos também ajuda a complementar a dose diária de colágeno. Mas cuidado com os produtos carregados de açúcar e corantes – substâncias com fama de prejudicar a qualidade da pele.

Nas prateleiras
1. Gelamin Beauté, Advanced Nutrition


(Divulgação/Divulgação)

Colágeno hidrolisado em pó. O sachê (10 g) oferece 8 g da proteína, além de vitaminas D e E, biotina, cobre, selênio, zinco e manganês. Nos sabores laranja, tangerina e limão. R$ 76,49 na Centauro.

2. Colágeno, Sunnutrition


(Divulgação/Divulgação)

Cápsula com 650 mg de colágeno hidrolisado. O fabricante sugere duas unidades, quatro vezes ao dia. Pote com 120 cápsulas. R$ R$ 38,68 na Onofre.

3. Gelavita, Sanavita


(Divulgação/Divulgação)

Primeira gelatina de colágeno hidrolisado do mercado. Uma colher de sopa (10 g, a porção para o preparo de uma tacinha), contém 4,5 da proteína. Os corantes e aromatizantes são naturais. Nos sabores frutas amarelas e frutas vermelhas. O pote de 200 g rende 20 porções.

10 dicas para evitar as varizes

Certamente não há mulher que não tema o aparecimento delas. Por isso, saber como evitar varizes e o que as causam é muito importante. Além da questão estética, os vasinhos podem causar pressões e dores nas pernas.

A culpa, na maioria dos casos, acaba ficando para a hereditariedade. Esse fator pode sim influenciar, mas existem diversas formas para driblar os problemas dos antepassados e prevenir as varizes. O cirurgião vascular Caio Focássio, da Clínica Vivere, de São Paulo (SP), e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Vascular listou as 10 principais dicas para quem quer manter as pernas longe dos vasinhos.

Leia também: Varicell funciona

Dicas de como evitar varizes:
1. Use salto alto só quando precisar dele

O problema não é o salto, mas sim ficar longos períodos com esse calçado nos pés. Ir e voltar do trabalho com uma sapatilha, por exemplo, e só calçá-lo enquanto trabalha já ajuda na prevenção das varizes.

2. Corra

A atividade física, principalmente a aeróbia (como corrida e caminhada), é extremamente recomendada para manter-se longe das varizes. Isso porque o exercício ajuda na circulação sanguínea.

3. Cuidado com a pílula anticoncepcional

Antes de começar o tratamento é importante a mulher consultar o seu médico. Já que pílulas a base de estrogênio podem contribuir com a distensão venosa e consequentemente aumentar o risco de doenças nesse território como aparecimento de varizes e trombose.

4. Movimente-se ao longo do dia

Ficar na mesma posição durante muito tempo prejudica o retorno venoso nas pernas. A cada uma ou duas horas, levante e ande um pouco, para ajudar o sangue fluir melhor e não ficar “estacionado” nas veias.

5. Deite com as pernas levemente elevadas

Não precisa ser necessariamente todo dia, mas algumas vezes na semana. Isso faz com que melhore o retorno venoso, fazendo com que a circulação da perna seja beneficiada.

6. Evite o excesso de peso

O acúmulo de gordura é um fator de risco para varizes. Manter o peso ideal é essencial – não só para evitar as varizes, mas também para manter a saúde em dia.

7. Não fume

O tabagismo, além de comprometer todo o organismo, aumenta a viscosidade sanguínea que é um dos responsáveis pela trombose venosa e tromboflebites que em futuro próximo podem gerar varizes.

8.Cuidado com os excessos na musculação

Aparentemente em um treino de hipertrofia com excesso de carga pode causar a hipertensão venosa. Por isso, o ideal, para prevenir as varizes, é usar pouca carga com mais repetições.

9. Esforço do apertado pode valer a pena

As meias elásticas ajudam muito no retorno venoso da grande maioria da população que não tem contra-indicação, procure seu médico para lhe prescrever a correta e previna-se das indesejáveis varizes.

Cremes Firmadores

Mesmo pra quem leva uma vida saudável, com direito à dieta balanceada e rotina de exercícios, está sujeito ao fantasma da pele flácida. O que pouca gente sabe é que, com um empurrãozinho da ciência, é possível se beneficiar de ativos que firmam a pele e prometem combater o acúmulo de gordura localizada. Hoje falaremos dos cremes redutores.

Princípios ativos
Para achar o creme firmador perfeito, antes de tudo é preciso ler sua embalagem. Para que o creme faça o efeito desejado, é preciso que ele tenha pelo menos um dos princípios ativos que vamos citar:

Coenzima Q10 – É natural e de química semelhante à da vitamina E produzida pelo corpo. É um poderoso antioxidante e captador de radicais livres, sendo usada no combate a doenças crônicas cardíacas e também nos cremes firmadores.

Leia também: Skin renov reclame aqui

DMAE – Facilmente encontrado em peixes como a sardinha, a anchova e o salmão, é um ingrediente que pode ser manipulado e usado em concentrações de 3 a 10%. Aumenta os níveis de contração muscular e pode ser usado para firmeza da pele, no combate à linhas de expressão e para aumentar os lábios.

Leia também: Creme firmador

Coup D’eclat – É um complexo especial que, com suas proteínas tensoras, promovem um efeito de resgate do aspecto da pele jovem.

Raffermine – Extraído da soja, quando aplicado sobre a pele estimula a organização das fibras de colágeno, melhorando a resistência da pele e tendo efeito firmador.

Liftline – Extraído do trigo, conferem tensão à cútis e a deixam mais firme e macia. Precisa conter concentração entre 3 e 5%.

Tensine – Feito de proteínas purificadas do trigo, forma sobre a pele filmes resistentes responsáveis pelo efeito tensor.

Regiões que sofrem mais
Algumas regiões do corpo ficam mais expostas ao sol, o que acelera o envelhecimento e a ruptura das fibras elásticas que mantém a pele firme, como nos braços e no colo. O rosto também pode ser colocado aqui, mas ele responde melhor à tratamentos de reparação, já que possui maior irrigação sanguínea.

O que prometem os firmadores
A principal proposta dos cremes firmadores é recuperar a sustentação da pele, diminuindo a flacidez. Alguns também prometem reduzir medidas, ajudando no combate à retenção líquida e no acúmulo de gordura.

E cumprem?
Quando possuem algum dos princípios ativos citados acima, há sim melhora na flacidez. Apenas há diferenças quanto a duração do efeito e na capacidade de influenciar o corpo a formar elastina e colágeno, principais responsáveis pela sustentação da pele. Porém, eles dificilmente reduzem medidas, já que com a aplicação tópica, não são capazes de alcançar a hipoderme, que é a camada de gordura.

Algumas dicas para evitar a flacidez
– Use protetor solar todos os dias: o sol é o principal inimigo da pele quando não a proteção.

– Beba muita água: isso evita a retenção de líquido, que é companheira fiel da flacidez.

– Evite o efeito sanfona: além disso provocar estrias, por conta da distensão da pele ao engordar, ajuda provocar a flacidez.

– Mantenha uma rotina de exercícios: isso firma os músculos sob a pele e melhoram o aspecto da pele flácida.